collapse collapse

* Painel de Controle

 
 
Bem-vindo, Visitante. Por favor faça o Login ou o Registro.

* Online

  • Dot Visitantes: 40
  • Dot Invisíveis: 0
  • Dot Membros: 0

There aren't any users online.

* Board Stats

  • stats Total de Membros: 2
  • stats Total de Posts: 386
  • stats Total de Tópicos: 366
  • stats Total de categorias: 2
  • stats Total de seções: 44
  • stats Máximo de Usuários Online: 491
Poder Jurídico - Conhecimento e informação na dose certa!
http://www.poderjuridico.com.br
Maio 14, 2017, 07:37:36 pm por admin | Views: 19 | Comments: 0

Defesa deve ser ouvida antes da decretação de prisão em audiência

Ainda que existam motivos válidos para a decretação de prisão durante a audiência, o juiz deve permitir que o advogado de defesa presente à sessão se manifeste, para só depois decidir sobre o pedido de cárcere cautelar formulado pelo Ministério Público. O pronunciamento do advogado pode ser feito oralmente e visa resguardar princípios como o contraditório e a ampla defesa. 

O entendimento foi estabelecido pela Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao julgar recurso em habeas corpus de réu que, apesar de não estar presente à audiência de instrução, teve a prisão preventiva decretada pela juíza nesse momento.

Segundo a Defensoria Pública de Minas Gerais, que representava o réu na ocasião, a magistrada que conduzia a audiência indeferiu o pedido de manifestação prévia da defesa por entender que a intervenção não tinha amparo legal. Para a Defensoria, houve cerceamento ilegal do direito de defesa.

Contraditório antecipado

Em voto acompanhado pela maioria dos membros da Sexta Turma, o ministro Rogerio Schietti Cruz reconheceu as dificuldades do exercício de um “contraditório antecipado” por parte do destinatário da ordem judicial de prisão, especialmente em virtude da natureza urgente da medida cautelar e considerando o risco de que o conhecimento prévio do conteúdo da decisão frustre a execução do decreto.

Mesmo assim, o ministro destacou que vários países têm modificado seus códigos de processo penal para introduzir a possibilidade do contraditório em relação às medidas cautelares pessoais, a exemplo da França, da Espanha e da Itália.

Também o Brasil, desde 2011, estabeleceu no artigo 282, parágrafo 3º, do Código de Processo Penal a necessidade de intimação da parte contrária, ressalvados os casos de urgência ou de perigo de ineficácia da medida cautelar.

Autoritarismo

Ao examinar o caso em julgamento sob o prisma do dispositivo do CPP, o ministro Schietti apontou que “beira o autoritarismo a decisão do magistrado que, em uma audiência, não permite à defesa se pronunciar oralmente sobre o pedido de prisão preventiva formulado pelo agente do Ministério Público”.

“Ainda que se tenha como fundamentada a decisão”, acrescentou Schietti, “não vislumbro qualquer justificativa plausível para a conduta judicial de obstruir qualquer pronunciamento da defesa do acusado, frente à postulação da parte acusadora, como também não identifico nenhum prejuízo ou risco, para o processo ou para terceiros, na adoção do procedimento previsto em lei”.

Para Schietti, o magistrado, ao menos por prudência, deveria oferecer à defesa a chance de se contrapor ao pedido formulado pelo Ministério Público, mesmo porque não havia, no caso específico julgado pelo colegiado, “urgência tal a inviabilizar a adoção da alvitrada providência, que traduz uma regra básica do direito: o contraditório, a bilateralidade da audiência”.

Leia o acórdão - https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ITA&sequencial=1555893&num_registro=201602373329&data=20170511&formato=PDF.

Fonte: http://www.stj.jus.br/sites/STJ/default/pt_BR/Comunica%C3%A7%C3%A3o/noticias/Not%C3%ADcias/Defesa-deve-ser-ouvida-antes-da-decreta%C3%A7%C3%A3o-de-pris%C3%A3o-em-audi%C3%AAncia
Maio 14, 2017, 07:36:55 pm por admin | Views: 15 | Comments: 0

Transexuais têm direito à alteração do registro civil sem realização de cirurgia

Independentemente da realização de cirurgia de adequação sexual, é possível a alteração do sexo constante no registro civil de transexual que comprove judicialmente a mudança de gênero. Nesses casos, a averbação deve ser realizada no assentamento de nascimento original com a indicação da determinação judicial, proibida a inclusão, ainda que sigilosa, da expressão “transexual”, do sexo biológico ou dos motivos das modificações registrais.

O entendimento foi firmado pela Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao acolher pedido de modificação de prenome e de gênero de transexual que apresentou avaliação psicológica pericial para demonstrar identificação social como mulher. Para o colegiado, o direito dos transexuais à retificação do registro não pode ser condicionado à realização de cirurgia, que pode inclusive ser inviável do ponto de vista financeiro ou por impedimento médico.

No pedido de retificação de registro, a autora afirmou que, apesar de não ter se submetido à operação de transgenitalização, realizou intervenções hormonais e cirúrgicas para adequar sua aparência física à realidade psíquica, o que gerou dissonância evidente entre sua imagem e os dados constantes do assentamento civil.

Sexo psicológico

O relator do recurso especial da transexual, ministro Luis Felipe Salomão, lembrou inicialmente que, como Tribunal da Cidadania, cabe ao STJ levar em consideração as modificações de hábitos e costumes sociais no julgamento de questões relevantes, observados os princípios constitucionais e a legislação vigente.

Para julgamento do caso, o ministro resgatou conceitos essenciais como sexo, identidade de gênero e orientação sexual. Segundo o ministro, as pessoas caracterizadas como transexuais, via de regra, não aceitam o seu gênero, vivendo em desconexão psíquico-emocional com o seu sexo biológico e, de um modo geral, buscando formas de adequação a seu sexo psicológico.

O relator também lembrou que, apesar da existência de princípios como a imutabilidade do nome, dispositivos legais como a Lei de Registros Públicos preveem a possibilidade de alteração do nome que cause situação vexatória ou de degradação social, a exemplo das denominações que destoem da aparência física do indivíduo.

Direito à felicidade

Na hipótese específica dos transexuais, o ministro Salomão entendeu que a simples modificação de nome não seria suficiente para a concretização do princípio da dignidade da pessoa humana. Para o relator, também seriam violados o direito à identidade, o direito à não discriminação e o direito fundamental à felicidade.

“Se a mudança do prenome configura alteração de gênero (masculino para feminino ou vice-versa), a manutenção do sexo constante do registro civil preservará a incongruência entre os dados assentados e a identidade de gênero da pessoa, a qual continuará suscetível a toda sorte de constrangimentos na vida civil, configurando-se, a meu juízo, flagrante atentado a direito existencial inerente à personalidade”, ressaltou o relator.

Exemplos internacionais

O ministro também citou exemplos de países que têm admitido a alteração de dados registrais sem o condicionamento à cirurgia. No Reino Unido, por exemplo, é possível obter a certidão de reconhecimento de gênero, documento que altera a certidão de nascimento e atesta legalmente a troca de identidade da pessoa. Iniciativas semelhantes foram adotadas na Espanha, na Argentina, em Portugal e na Noruega.

“Assim, a exigência de cirurgia de transgenitalização para viabilizar a mudança do sexo registral dos transexuais vai de encontro à defesa dos direitos humanos internacionalmente reconhecidos – máxime diante dos custos e da impossibilidade física desta cirurgia para alguns –, por condicionar o exercício do direito à personalidade à realização de mutilação física, extremamente traumática, sujeita a potenciais sequelas (como necrose e incontinência urinária, entre outras) e riscos (inclusive de perda completa da estrutura genital)”, destacou o relator.

Acompanhando o voto do relator, a Quarta Turma concluiu que o chamado “sexo jurídico” – constante do registro civil com base em informação morfológica ou cromossômica – não poderia desconsiderar o aspecto psicossocial advindo da identidade de gênero autodefinida pelo indivíduo, “o qual, tendo em vista a ratio essendi dos registros públicos, é o critério que deve, na hipótese, reger as relações do indivíduo perante a sociedade”.

Complexidades jurídicas

O ministro Salomão também apontou que as complexidades jurídicas geradas pelo reconhecimento dos direitos dos transexuais não operados já são perceptíveis no universo das pessoas que decidiram se submeter à cirurgia.

“Ademais, impende relembrar que o princípio geral da presunção de boa-fé vigora no ordenamento jurídico. Assim, eventuais questões novas (sequer cogitáveis por ora) deverão ser sopesadas, futuramente, em cada caso concreto aportado ao Poder Judiciário, não podendo ser invocados receios ou medos fundados meramente em conjecturas dissociadas da realidade concreta”, concluiu o ministro ao acolher o recurso especial da mulher.

O número deste processo não é divulgado em razão de segredo judicial.

http://www.stj.jus.br/sites/STJ/default/pt_BR/Comunica%C3%A7%C3%A3o/noticias/Not%C3%ADcias/Transexuais-t%C3%AAm-direito-%C3%A0-altera%C3%A7%C3%A3o-do-registro-civil-sem-realiza%C3%A7%C3%A3o-de-cirurgia
Maio 14, 2017, 07:35:58 pm por admin | Views: 15 | Comments: 0

“Dilma ligou para João Santana para avisar sobre prisão”

Segundo delação de Mônica Moura, mulher do marqueteiro do PT, investigações sigilosas da Polícia Federal seriam vazadas pelo ex-ministro da Justiça


A ex-presidente Dilma Rousseff é acusada de ter ligado para o marqueteiro João Santana para avisá-lo que seria preso na Operação Lava-Jato, segundo delação premiada da empresária Mônica Moura, mulher do publicitário. A chamada telefônica teria ocorrido no dia 21 de fevereiro de 2016, um dia antes do juiz Sergio Moro decretar a prisão do casal, que estava na República Dominicana, trabalhando na campanha presidencial de Danilo Medina.

De acordo com Mônica Moura, a então presidente informava detalhes do andamento da Operação Lava-Jato por meio de e-mails secretos, em que mensagens cifradas serviam para alertar o casal. Em uma dessas mensagens, Dilma avisou previamente a data em que seria deflagrada a operação e a ordem de prisão que existia contra o casal. Em fevereiro de 2016, a Polícia Federal deu início à 23ª fase da Operação Lava Jato e tentou cumprir mandado de prisão contra o publicitário. Ele não foi detido porque estava no exterior, onde trabalhava na campanha à reeleição do presidente da República Dominicana, Danilo Medina. Agora se sabe, por meio da delação do casal João Santana e Mônica Moura, que partiu da própria Dilma a orientação para que ambos permanecessem fora do Brasil.

Os e-mails secretos foram criados depois de Dilma temer pela descoberta dos pagamentos, via caixa dois, ao casal a partir do recolhimento de propinas da Odebrecht. João Santana e Mônica Moura foram pagos no exterior, em uma conta na Suíça.

Como a Operação Lava-Jato já fechava o cerco sobre empreiteiras que fraudavam contratos de obras da Petrobras, entre as quais a própria Odebrecht, Dilma externou preocupação de que o esquema poderia ser descoberto. “Precisamos manter contato frequente de uma forma segura para que eu lhe avise sobre o andamento da operação. Estou sendo informada de tudo frequentemente pelo José Eduardo Cardozo”, disse Dilma, segundo relator, em delação premiada, de Mônica Moura. Na época, Cardozo era ministro da Justiça do governo petista.

Em outro trecho da delação, Mônica Moura detalhou como a então presidente atuava quando queria falar de temas espinhosos, como o pagamento de campanhas por meio de caixa dois. Em ocasiões como essa, revelava seus segredos em caminhadas pelo jardim ou na varanda interna do Palácio da Alvorada “como forma de preservar o sigilo da conversa”.

O email secreto por meio do qual a então presidente e o casal de marqueteiros se comunicavam foi criado por Mônica Moura em um notebook da própria Dilma. A sofisticação era baixa: direto da biblioteca do Palácio da Alvorada, Mônica criou um e-mail do Google (gmail), com nome e dados fictícios. A senha era partilhada entre a empresária, Dilma e o chefe de gabinete da então presidente, Giles Azevedo.

A partir de então, sempre que a presidente fosse municiada com informações de José Eduardo Cardozo, Giles encaminhava uma mensagem no celular de Mônica Moura com assuntos irrelevantes, como “veja aquele filme” ou “gostei do vinho indicado”. Era  a senha para que a empresária checasse imediatamente o email secreto.

Ao todos, duas contas de email foram criadas para as comunicações sigilosas – e criminosas – entre Dilma Rousseff, João Santana e Mônica Moura.

http://veja.abril.com.br/politica/dilma-ligou-para-joao-santana-para-avisar-sobre-prisao/
Maio 14, 2017, 07:34:53 pm por admin | Views: 16 | Comments: 0

Sentença de Lula pode vir em julho; prisão é incerta


Faltam poucos passos para o fim do processo contra o ex- -presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ouvido pelo juiz Sérgio Moro na última quarta. A velocidade média do magistrado indica que o petista será condenado – ou não – em julho, talvez em agosto.

Todas as testemunhas e réus desta ação, que julga o tríplex do Guarujá (Lula é réu em 4 outros processos), já foram ouvidos.

Ontem o MPF (Ministério Público Federal) e a defesa de Lula pediram as últimas diligências, que podem atrasar o processo em alguns dias. O MPF quer interrogar mais três pessoas e os advogados do petista pediram 11 providências, a maioria – incluindo um pedido de auditoria – ligada à empresa OAS.

Mas Moro tem o poder de aceitar ou não estas diligências, decisão ainda não tomada até a noite de ontem. Se ele indeferir os pedidos, abrirá imediatamente os prazos para alegações finais.

Com as alegações feitas, a sentença sairá a qualquer momento. O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por exemplo, foi condenado por Moro a 15 anos e 4 meses de prisão apenas três dias após a defesa do ex-Presidente da Câmara protocolar suas alegações. “O juiz já pode ir escrevendo a base da sentença antes das alegações, não há problema nisso”, diz um advogado que representa a Petrobras.


A audiência

No depoimento a Moro, Lula adotou a tática de negar responsabilidades. Sobre o esquema de corrupção da Petrobras, disse desconhecer os crimes e negou até ter influência sobre o PT. No caso do tríplex, atribuiu à ex-primeira dama Marisa Letícia, morta em fevereiro, todas as decisões sobre o imóvel.

Segundo o petista, foi Marisa quem decidiu – sem consultá-lo antes – comprar uma cota de participação para um apartamento em 2005, quando a obra ainda era tocada pela cooperativa Bancoop.

Após a OAS assumir a construção, em 2009, Lula reconheceu ter visitado o trí- plex uma vez, já em 2014, mas disse que o ex-presidente da construtora, Léo Pinheiro, estava tentando convencê-lo a comprar o imóvel, “como qualquer vendedor”.

Mais tarde, em 2014, Marisa visitou outra vez o apartamento e pediu, segundo Léo Pinheiro, que as obras estivessem prontas até o final daquele ano. Lula, porém, disse que só soube da visita cerca de 15 dias depois. “Não sei se o senhor tem mulher, mas nem sempre elas perguntam pra gente o que vão fazer”, disse o ex-presidente a Moro.

A defesa de Lula afirmou ontem, em nota, que a Lava Jato “atenta contra a memória” de Marisa Letícia. “Todos os atos de D. Marisa foram absolutamente legais e nunca poderiam justificar nem a denúncia nem a ação penal contra ela”, dizem os advogados de defesa.


http://paranaportal.uol.com.br/operacao-lava-jato/sentenca-de-lula-pode-vir-em-julho-prisao-e-incerta/?cmpid=fb-uolnot-di
Maio 14, 2017, 07:33:40 pm por admin | Views: 18 | Comments: 0

Lava Jato ofende memória de Marisa e barra acesso a documentos, diz defesa

Advogados de Lula rebatem alegação de procuradores sobre suposta tentativa de atribuir culpa a ex-primeira-dama, e reclama do desequilíbrio no acesso a documentos da Petrobras


São Paulo – Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmam que integrantes da Operação Lava Jato atentam contra a memória da ex-primeira-dama Marisa Letícia, ao afirmar que Lula teria tentando transferir responsabilidades à mulher, morta em fevereiro, durante depoimento ao juiz Sérgio Moro na última quarta-feira (10).

Em nota divulgada nesta quinta (11), a defesa do ex-presidente diz que dona Marisa "jamais cometeu qualquer ilegalidade ao longo da vida e sempre mereceu o respeito de todos", e que não poderiam justificar nem denúncia nem ação penal contra ela. E que desde antes de sua morte todos os argumentos da defesa sobre o papel de Marisa no caso já era apresentado aos acusadores. A defesa afirma, ainda, que causa "espanto" que até agora a ex-primeira-dama não tenha sido inocentada sumariamente, como determina a lei em casos de falecimentos.

"Causa assim estranheza que o depoimento do ex-presidente ao Juízo de Curitiba, no que tange a sua esposa, tenha recebido os comentários da Força Tarefa que a imprensa explorou hoje. O testemunho de Lula, ontem, não diverge do que ele e nós, seus advogados, já vínhamos afirmando há mais de um ano."

Em outra nota, os advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins reclamam que ainda não tiveram acesso a todos os documentos da Petrobras relacionados ao processo, mas apenas àqueles que foram selecionados pelos advogados de defesa da estatal que, nesse caso, atuam assistentes da acusação. A defesa de Lula questiona a disparidade em relação às demais partes envolvidas, que tiveram acesso a toda documentação.

"O que a defesa questionou ontem – e foi registrado pela advogada Valeska Martins à imprensa, em Curitiba – é que, enquanto o Ministério Público Federal, a Polícia Federal e a assistente de acusação têm acesso a todo e qualquer material da empresa para usar na ação, isso é negado à defesa de Lula. Não se trata de conhecer apenas materiais selecionados – como a ata a que se referiu a Força Tarefa - o que fere a garantia da paridade de armas", alegam os advogados de Lula.

Ainda na terça-feira (9), um dia antes do depoimento do ex-presidente à Justiça Federal, a defesa entrou com reclamação disciplinar contra o juiz Moro, no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em que pedem "eventual imposição de sanções disciplinares" pela proibição de gravação do depoimento por parte da defesa.

http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2017/05/lava-jato-atenta-contra-a-memoria-de-dona-marisa-e-restringe-acesso-a-documentos
Maio 14, 2017, 07:32:11 pm por admin | Views: 15 | Comments: 0

Após depoimento de Lula, jurista pede para retirar artigo de Moro em livro-homenagem

Ex-apoiador da Lava Jato, Afrânio Silva Jardim se mostrou inconformado com atuação do juiz. "Posso estar errado, mas Lula não está tendo direito a um processo penal justo"


São Paulo – Em seu perfil no Facebook, o mestre e livre-docente em Direito Processual pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) Afrânio Silva Jardim se disse "indignado" com a atuação do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, no depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tomado nesta quarta-feira (10) na capital paranaense. O jurista pediu publicamente que um artigo do magistrado, publicado em livro que o homenageia, fosse retirado da obra.

"(...) solicito, de público, aos amigos Pierre Souto Maior Amorim e Marcelo Lessa, organizadores do livro 'Tributo a Afrânio Silva Jardim', que diligenciem junto à Editora Juspodium no sentido de que não conste, na sua terceira edição, o trabalho do referido magistrado. A obra foi publicada, em minha homenagem, sendo composta por vários estudos de renomados juristas pátrios e estrangeiros", diz Jardim em sua postagem.

Segundo o professor, considerado um dos maiores processualistas do país e citado em mais de cem acórdãos no Supremo Tribunal Federal (STF), outros autores da obra também estariam incomodados em figurar ao lado de Moro. "Esta minha solicitação, além de ser motivada pelo inconformismo acima mencionado, tem como escopo evitar constrangimento ao próprio juiz Sérgio Moro, diante de críticas técnicas que venho fazendo a seu atuar processual. Ademais, alguns colaboradores da obra coletiva já se manifestaram desconfortáveis em figurar na companhia deste magistrado no aludido livro."

"A minha indignação é tanta, que, apesar de professor e ex-membro do Ministério Público experiente, quase não consegui dormir esta noite e, por isso, estou aqui novamente fazendo este aditamento. Sinto necessidade de 'gritar', sinto necessidade de 'desabafar'", lamenta . "Posso estar errado, mas o ex-presidente Lula não está tendo o direito a um processo penal justo. Ele não merecia isso. Fico imaginando o 'massacre' a que seria submetida a sua falecida esposa D. Maria Letícia, pessoa humilde e inexperiente ...".

"Confesso que continuo amargurado e termino dizendo que, se o ex-presidente Lula restou humilhado, de certa forma, também restou humilhado o povo brasileiro, que nele deposita tantas esperanças", pontua o jurista. "Termino também dizendo que restou 'esfarrapado' o nosso sistema processual penal acusatório, que venho procurando defender nestes trinta e sete anos de magistério. O juiz Sérgio Moro me deixou triste e decepcionado com tudo isso."

Quando o processo da Operação Lava Jato teve início, o processualista chegou a trocar e-mails com Sérgio Moro, abordando questões processuais, conforme relatou em entrevista concedida ao site Viomundo, em setembro de 2016. "Quando a Lava Jato estava trabalhando só com o aspecto policial, até elogiei porque ninguém é a favor da corrupção”, disse. "Porém, quando percebi que a questão era política, mandei um e-mail falando da minha decepção. Ele perguntou por quê. Expliquei. Ele disse que lamentava e, assim, rompemos."

http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2017/05/apos-depoimento-de-lula-jurista-pede-que-artigo-de-moro-seja-retirado-de-livro-em-sua-homenagem
Maio 14, 2017, 07:30:42 pm por admin | Views: 13 | Comments: 0

'Manda a Polícia Federal devolver os iPads dos meus netos', pede Lula Moro


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu nesta quarta-feira, 10, durante interrogatório na Operação Lava Jato a devolução "dos iPads dos netos" dele ao juiz federal Sérgio Moro. Segundo o petista, os equipamentos foram apreendidos em março de 2016 durante a Operação Aletheia - etapa da Lava Jato que levou coercitivamente o ex-presidente para depor.

“Aliás, eu queria aproveitar, já que o senhor falou dessa coerção, determine que a Polícia Federal devolva os iPads dos meus netos. É uma vergonha, iPad de neto de 5 anos está desde março do ano passado”, reclamou Lula. Moro afirmou que é "só pedir a restituição que é devolvido".

Lula não concordou. “Não, não, não, não. Já pedi, já foi falar. Não pense que as coisas funcionam. Isso é que nem no Governo. Não pense que tudo que o senhor pede as pessoas fazem rapidamente. O senhor não viu como a Polícia Federal entrou na casa dos meus filhos. Não é com a educação que entraram na minha. Na casa dos meus filhos quebraram porta, quebraram portão.”

O magistrado declarou que se Lula tivesse reclamações sobre a conduta da PF, poderia informar. “Não tem como tomar providência se o senhor não faz essa informação. Isso que o senhor está falando agora, nunca ouvi.”

A denúncia do Ministério Público Federal sustenta que Lula recebeu R$ 3,7 milhões em benefício próprio - de um valor de R$ 87 milhões de corrupção - da empreiteira OAS, entre 2006 e 2012. As acusações contra Lula são relativas ao recebimento de vantagens ilícitas da empreiteira por meio do triplex 164-A no Edifício Solaris, no Guarujá, e ao armazenamento de bens do acervo presidencial, mantido pela Granero de 2011 a 2016. O petista é acusado de lavagem de dinheiro e corrupção.

Disponível em: http://www.itatiaia.com.br/noticia/manda-a-policia-federal-devolver-os-ipads-dos
Maio 14, 2017, 07:29:41 pm por admin | Views: 13 | Comments: 0

Monica Moura entrega imagem de e-mail criado para conversas secretas com Dilma


A empresária Monica Moura, delatora da Operação Lava Jato, entregou ao Ministério Público Federal um registro com as imagens do e-mail que diz ter usado para trocar mensagens com a ex-presidente Dilma Rousseff. As fotografias estão em uma Ata Notarial lavrada em 13 de julho de 2016 no 1º Tabelionato Giovannetti em Curitiba.
Monica afirmou em delação premiada que criou “no computador da presidente” uma conta de e-mail com nome e dados fictícios, com senha compartilhada entre as duas e o ex-assessor de Dilma Giles Azevedo.

Monica é casada com o publicitário João Santana. O casal de marqueteiros fez as campanhas presidenciais de Lula (2006) e Dilma (2010 e 2014). Eles foram presos na Operação Lava Jato e fecharam acordo de delação premiada para se livrar da cadeia.

Segundo a delatora, ela e a então presidente combinaram que, se houvesse notícia sobre avanço da Lava Jato em relação ao casal, o aviso seria feito através desse e-mail. As mensagens escritas pela presidente ficariam na caixa de rascunhos do e-mail, para não circularem, e Mônica acessaria a conta de onde estivesse.

A solicitação do registro das imagens foi feita, segundo o documento, por Felipe Pedrotti Cadori. Na Ata Notarial, o funcionário do Tabelionato afirma que às 15 horas e 14 minutos, acessei o sítio “http://www.gmail.com”, e, após o solicitante efetuar login com usuário e senha, acessei referido e-mail, registrando a rotina sugerida na forma a seguir, do que dou fé.

Do documento constam três imagens. Em uma delas, há um rascunho de e-mail “2606iolanda@gmail.com” com uma mensagem de 22 de fev: “Vamos visitar nosso amigo querido amanha. Espero não ter nenhum espetáculo nos esperando. Acho que pode nos ajudar nisso, né?”.

Monica Moura declarou em papel assinado de próprio punho e entregue à Procuradoria-Geral da República que a senha de acesso ao e-mail 2606iolanda era iolanda47′.

Segundo ela, foi Dilma quem sugeriu o nome Iolanda em alusão à mulher do ex-presidente Costa e Silva – um dos generais da ditadura. Ainda segundo a delatora, 47 é o ano de nascimento da petista.

“Para preservar a existência da conta de e-mail, enquanto a colaboradora se encontrava presa, a senha de acesso foi trocada para “lice1984″, que permanece até hoje”, afirmou. /COLABORARAM BERNARDO GONZAGA E LIANA COSTA, ESPECIAIS PARA AE

http://istoe.com.br/monica-moura-entrega-imagem-de-e-mail-criado-para-conversas-secretas-com-dilma/
Maio 14, 2017, 07:25:51 pm por admin | Views: 17 | Comments: 0

Benefícios do sexo para a saúde


O prazer na cama é fonte de muita saúde. A psicóloga e sexóloga Carla Cicarelo explica que fazer sexo constantemente sustenta a autoestima. Quem tem uma vida sexual ativa cuida mais dela mesma, investe no físico, se produz, cuida da saúde, da beleza.

Orgasmo

Para chegar ao extremo prazer é preciso seguir algumas etapas: desejo, excitação, orgasmo e resolução. Esta última é o momento em que o corpo começa a voltar para o estado inicial. O orgasmo seria a finalização de tudo que foi vivenciado na relação sexual. As mulheres não chegam pronta para o sexo. Elas precisam de uma fase anterior, onde acontece a conquista. Elas precisam se sentir confiante, cúmplice, segura, sentir admiração pelo parceiro.

Se você nunca tem orgasmo é a mesma coisa que trabalhar o mês inteiro e não receber o seu salário. Pode acontecer sim, mas sempre sem orgasmo é uma disfunção sexual instalada. A capacidade para ter orgasmo é a mesma para os dois sexos. A mulher precisa conhecer o corpo dela através da masturbação. Assim, quando for para uma relação sexual, saberá mostrar como gosta que a toque, como ela quer que seja e, com isso, acaba se entregando muito mais.

Atualmente, no consultório médico, as mulheres andam se queixando dos parceiros, pois os homens estão mais a vontade para dizer que não estão a fim de fazer sexo. Isso hoje é comum. Portanto, as mulheres precisam de sexo tanto quanto os homens. Atividade sexual faz bem para os dois, pois libera uma série de substâncias que contribui para a saúde!!

http://www.minhavida.com.br/saude/videos/10164-beneficios-do-sexo-para-a-saude
Maio 14, 2017, 07:23:19 pm por admin | Views: 9 | Comments: 0

Conheça o verdadeiro papel dos seios na sexualidade

Algumas mulheres podem chegar ao orgasmo com estimulação dos mamilos


Os seios de uma mulher são capazes de despertar o desejo e incitar a libido. Os homens sabem disto e por isso mesmo não resistem à vontade de olhar e tocar. Para que uma relação sexual aconteça, é indispensável justamente o desejo de olhar e tocar entre duas pessoas. No corpo da mulher, especificamente, os seios e toda a região do colo expressam a sua feminilidade, tanto consciente quanto subliminar. Fisiologicamente, eles são indícios da capacidade de procriar e da função de nutrir e amamentar.

Segundo o terapeuta e médico vibracional Eduardo Navarro, a erotização das mamas estaria assim relacionada ao imaginário masculino de ser alimentado por sua parceira. "Existe um interesse consciente ou inconsciente do adulto em voltar a mamar", diz o especialista. Navarro acrescenta que nessa fase da vida, no entanto, há também o desejo do homem de proporcionar prazer à parceira.

"Os seios são mais do que uma ferramenta para a amamentação e o imaginário masculino. Os mamilos, quando estimulados, causam a contração dos dutos de leite das glândulas mamárias proporcionando a mulher um prazer peculiar", afirma o médico. De acordo com ele, algumas mulheres, inclusive, podem chegar ao orgasmo só de ter seus mamilos estimulados, cumprindo função semelhante ao clitóris.

O colo oferece uma região rica em sensações para serem exploradas a sós ou a dois. Toda mulher deve aproveitar os momentos íntimos no banho para tocá-los, descobrir seu formato e como se sente enquanto eles são acariciados. Depois, estrategicamente, quem desejar, deve abusar dos decotes. Um decote bem explorado pode revelar tanto a consciência de si mesma quanto as intenções da sua aparência.


Silicone

É perfeitamente normal que as mulheres queiram ser atraentes, incluindo nesta busca, muitas vezes, um seio farto e firme. "A aparência das mamas está relacionada à juventude ou à velhice. Por isso, dado o grande interesse dos homens pelas mamas as cirurgias de implante de silicone são das mais procuradas", afirma o médico.

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, o número de mulheres que recorrem à cirurgia de mama tem aumentado todos os anos. O último levantamento da entidade, divulgado em 2009, mostrou que de um total de 629 mil procedimentos de médio e grande porte feitos no país em 2008, em primeiro lugar, com 151 mil, aparece o de mama, seguido de lipoaspiração, com 91 mil.

O envolvimento íntimo parte de alguns princípios, como, por exemplo, o respeito ao próprio corpo. Mostrar seios bonitos pode passar por processos de autoaceitação, o que seria recomendado em primeiro lugar, antes das intervenções cirúrgicas.

É bom lembrar que, assim como um único tipo de corpo não pode ser chamado de ideal, o mesmo se aplica ao formato e tamanho dos seios.

http://www.minhavida.com.br/saude/materias/12671-conheca-o-verdadeiro-papel-dos-seios-na-sexualidade#ampshare=http://www.minhavida.com.br/saude/materias/12671-conheca-o-verdadeiro-papel-dos-seios-na-sexualidade
Pages: [1]

* Procurar


* Top Boards